Luis Ferreira

Luis Ferreira

Universidades inteligentes

Para quem está com alguma atenção depois do regresso de férias ou mesmo durante as mesmas, há sempre uma intenção enorme dos Partidos Políticos e dos seus líderes, levarem a cabo alguns eventos, juntado assim algumas centenas ou milhares de militantes dispostos a ouvir o que eles têm para dizer.

Se pensam que Portugal é único nesta vertente, desenganem-se porque isto acontece um pouco por todo o lado. Há necessidade de lembrar aos eleitores que eles estão vivos e que as férias foram apenas um tempo de descanso para ganhar forças para o recomeço.

António Costa começou por adiantar algumas ideias futuras a levar a cabo depois de setembro, mas não quis adiantar muito mais do que isso com receio de se comprometer. No entanto ia criticando o que o líder do PSD ia dizendo a seu respeito. Contudo Montenegro, igualmente receoso, limitou-se a criticar o que Costa dizia, colando-se a alguns farrapos de verdade do que ele dizia, mas chamando a si o protagonismo da resolução futura, se o PS quisesse. Apalpadelas subtis para amaciar a fruta que alguém irá comer!

Com as rentrées do mês de agosto, quase todos os partidos quiseram realçar as suas criticas e as suas apostas de mudança na continuidade do governo. Sim, porque o governo continua, mas as apostas só são de quem as aponta, sabendo de antemão que pouco ou nada resolvem, já que o governo tem maioria. Mas tentar não custa.

Com algum interesse, aparece sempre a universidade de verão do PSD, onde os jovens vão iniciar-se nos meandros da política, nas ideias dos políticos e numa visão global do que se pretende ou se vive no mundo atual. É uma aposta do PSD há muitos anos e que tem resultado, segundo parece. Na Universidade aprende-se alguma coisa e aqui também é esse o propósito. Os professores são variados e os temas da aprendizagem também. Mas a aposta está nos professores que vão discursar e apresentar as suas teses.

Assim encontramos um peso pesado nesta universidade de verão do PSD. Paulo Portas, convidado especial, apresentou a sua visão de uma geopolítica global, prendendo a atenção dos mais curiosos e até dos mais imberbes politicamente. Foi uma aposta ganha. Aqui Montenegro teve a ideia sublime de querer vencer e ganhar a sua aposta.

Falar de Marcelo e das universidades de verão do PSD é redundante. Está sempre presente. Este ano só quis falar da Ucrânia para fugir a questões polémicas. Tem tempo para se pronunciar sobre o que pensa que vai menos bem e que o governo teima em não mudar. É um modo de intervenção diferente. Todos ficam a saber que algo vai mal e que deveria mudar.

Montenegro vai-se desdobrando por todo o lado desde o Algarve a Castelo de Vide e à Madeira. A aposta imediata é ganhar a maioria na Madeira e para isso faz disso alarido e tema principal para se lançar para as europeias que diz querer ganhar. Claro que quer, mas a distância ainda é enorme. Se isso acontecer, a proposta apresentada na universidade de verão é ganha e, uma vez mais, serviu para o lançamento do partido e dos seus objetivos.

O PS parece ter dado já as aulas todas. Não há universidades de verão nem aulas avulsas, mas há críticas e propostas. Critica o que diz Montenegro e este critica o diz Costa. O PSD quer ganhar as eleições legislativas e até pede a maioria absoluta para que não tenha de fazer alguma geringonça com o Chega ou com a Iniciativa Liberal. Pedir não custa. Embora a distância percentual não seja muita, é preciso muito mais para ter a maioria absoluta. Penso que não vai ter e, se ganhar as eleições, isso servirá para saber negociar com as restantes forças políticas se quiser governar com sabedoria e com democracia. Parece que alguns se esquecem que a democracia passa por aí.

A este propósito e a imitar as universidades de verão que por cá se vão fazendo, também Putin as quis fazer, mas com uma diferença enorme como é seu hábito. Falou sozinho, não convidou ninguém para falar e transmitiu aos jovens que vão iniciar novamente as aulas do novo ano letivo, a ideia de que a Rússia é um país invencível e que o que ele fez e faz na Ucrânia está certo e tem toda a razão para o fazer. Pelo meio elogiou os soldados que por lá vão andando e caindo em combate, fazendo deles uns heróis dignos de futuras lembranças. Esta universidade de verão de Putin não agrada a ninguém e parece que nem aos alunos que, silenciosos, assistiram à verborreia política que durante largos minutos ouvira da boca do Presidente da Federação Russa. Semelhanças? Com quem? Nas universidades tem que se ser honesto, sério, inteligente e democrata. Coisa que Putin ainda tem de aprender.



Partilhar:

+ Crónicas

O assassino da liberdade

Só promessas

O Mundo em Chamas

De lés a lés

A aliança do desespero

O que nos querem vender?

Pantanal Político

Os interesses da guerra

Á beira do caos

As luzes de setembro

O regresso do terceiro F

Altar Maior