Luis Ferreira

Luis Ferreira

Passeiam a loucura no Orçamento

Há hoje em dia uma tendência para que se tenham animais de estimação que obrigam a quem os tem a uma ginástica temporal diária, o que não é impeditivo a que se mantenham e com direitos de mordomias. Sinais dos tempos.

Todos os dias, no bairro onde se vive ou nas ruas que percorremos, lá vão eles presos pela trela ou não, com os donos num amigável passeio digestivo e sanitário. Não dão grandes liberdades para que eles não causem problemas de maior quer aos donos quer aos que com eles possam cruzar-se. Mesmo com todos estes cuidados, os problemas surgem quando menos se espera.

Mas se uns têm em casa animais desta espécie, outros há que mantêm espécies diferentes como se fossem animais de estimação e que levam a passear por ruas e ruelas bastantes apertadas correndo o risco de saírem machucados. Curioso é que, mesmo sabendo dos riscos que correm, não abdicam de passear os seus “animaizinhos” por estes lugares muito perigosos.

A loucura tem vários modos de se manifestar. Uns mais meigos, outros mais agressivos e ainda outros mais exigentes e perigosos. E tem ainda uma forma subtil de se mostrar, de se insinuar e de querer mostrar que não é de modo algum, a loucura que todos apregoam e rotulam. Afinal, ela só é loucura porque as consequências do seu comportamento podem ser demasiado gravosas. Contudo, os seus progenitores não se coíbem de a passear e mostrar quão importante é lidar com ela. No fundo é só mais um animal de estimação no meio de tantos outros. A única diferença é que falam pela voz do dono.

Todos os anos assistimos a uma luta de galos para aprovar o Orçamento do ano que se segue. O Governo faz manobras mirabolantes para convencer os partidos de que a solução apresentada é a melhor para manter equilibrada a balança do desespero económico do Estado. Mas, como temos visto, não é fácil consegui-lo. Há que namorar e muito, os possíveis parceiros de quarto. O problema surge quando eles não gostam das investidas namoradeiras e se recusam a fazer parte desse jogo. Aqui exigem e dizem não. Uma autêntica loucura.

Todos sabem os riscos que correm os portugueses que assistem a estes namoros de parapeito. E, mais listo que todos eles, o Presidente da República, no patamar superior, vai chamando à atenção de todos eles, para o perigo de o namoro correr mal e a necessidade de se entenderem, deixando as loucuras e as pretensões de vitoriazinhas de lado. É que este animal de estimação é demasiado perigoso para passear pelo orçamento, que é apenas uma das ruas estreitas lá para os lados de São Bento.

Mas não pensemos que é só o governo a ter este animal de estimação a que, por sinal, vai dando alguns metros de liberdade nos seus ténues passeios de fim-de-semana. Não. Os outros que com ele se cruzam fazem alarde de os mostrar igualmente, com rédea bem mais curta e com exigências bem maiores. Outra loucura de estimação, que lhes dá gozo passear, sem se preocuparem muito com os transeuntes que podem ficar afetados ou até mutilados por esta loucura terrível.

O que é importante de igual modo é saber que os nomes dos donos destes animais de estimação a que chamam loucura, são conhecidos de todos e não é por isso que eles se importam. Seja o PC, seja o BE, seja o PAN ou outro qualquer como IL, adoram passear a sua loucura pelos meandros do Orçamento e pelo caminho vão mostrando onde querem ir e com quem e, o mais importante, como querem ir. A companhia é importante, mas não serve qualquer uma. Resta saber qual se adequa mais à sua própria loucura de estimação. Mas todos sabem que as ruas são demasiado estreitas para esses passeios.

É pena que assim seja. Se não serve ao Governo qualquer companhia, o certo é que ele escolheu e delimitou as escolhas somente a alguns e o mesmo aconteceu aos outros. Resta esgrimir a força das suas loucuras e ver qual delas aguenta mais as outras ou se entende com elas. No fundo, além de passear a loucura pelo Orçamento, é ter um Orçamento, mesmo que seja de loucos. E se não houver?

Pois o facto é que se corre o risco de ir a votos para escolher nova loucura. E tudo por causa de um Orçamento que tem um tempo inadiável e uma exigência intransponível. Será que a loucura de uns e de outros se apercebe disso?

A ver vamos, mas penso que chega de loucuras antes que seja tarde demais. O melhor é comprarem cães e levá-los a passear pelas avenidas da capital, mas com juízo.


Partilhar:

+ Crónicas

Trapalhas em S. Bento

50 amos de memórias

E se acorda rebentar?

E agora?

Será que vale tudo?

O assassino da liberdade

Só promessas

O Mundo em Chamas

De lés a lés

A aliança do desespero

O que nos querem vender?

Pantanal Político

Os interesses da guerra