Luis Ferreira

Luis Ferreira

O rico amigo

Ao longo da minha vida perdi alguns privilégios e fantasmas de menino, mas ganhei a oportunidade de crescer e viver livremente. Perdi muitas vezes e muitas coisas, porém junto a este perder, hoje tento o valor de ganhar, porque sempre podemos lutar pelo que amamos, pelo que acreditamos e porque sempre há tempo para recomeçar. Recomeçar é darmo-nos uma nova oportunidade, é renovar as esperanças, é acreditar em nós mesmos.
Aprendi com os meus pais a dar muita importância à família e com a família a dar mais importância à união, à esperança, à honestidade, à vitória. Valores que não se devem subestimar nem preterir. Com eles cimentam-se relações duradouras e conseguem-se os amigos de que necessitamos para construir as amizades e com eles festejarmos os aniversários que a vida nos vai deixando desfilar. Mas para amigos nem todos servem!
Não sei a data de aniversário de muitos dos meus amigos. Nem de pessoas importantes, se é que isso serve para alguma coisa. Não sei qual o dia de aniversário do Primeiro-ministro, nem do Presidente da República, nem de Sócrates, nem do falecido Salazar. Não sei nem me interessa. Ah, mas sei o dia em que Mário Soares fez 90 anos! Por acaso tenho uma pessoa bastante mais amiga do que ele (!!!), que faz anos a 7 de dezembro e só por analogia é que me lembrarei do dia de anos de Mário Soares alguma vez mais na vida. Pois, mas este fim de semana não se ouviu falar de outra coisa. E ficámos a saber que se rodeou de cerca de duzentos amigos de vários quadrantes políticos que o homenagearam num almoço e que o ouviram dizer, humildemente, que não merecia tal evento, que tudo o que fez não foi por si, mas pelos outros e acrescentar que Portugal precisa de uma rutura! Rutura! Ainda mais? Que amigo este! Enfim! Quererá ele dizer que Portugal precisa que o partido socialista volte a governar, ou que é preciso cortar com alguns amigos, romper com eles, por não serem tão amigos como se supunha? É que o amigo Sócrates, a quem tanto já elogiou, parece ser alvo de acusações graves, que desprestigiam a democracia e que, estando preso, não serve de espelho para ninguém que se preze e por isso não pôde estar presente no almoço de homenagem. Paciência! Se assim não fosse, certamente estaria lá, a não ser que estivesse no Brasil, para onde tencionava ir passar uns dias de férias, o Natal incluído.
O partido socialista até pode vir a governar brevemente, mas isso não significa que haja a tal rutura a que Soares se refere, ou a que ele pretende que haja. Também não explicou o que quer! Afinal de contas, rutura há mesmo dentro do partido socialista, com ou sem Sócrates, com ou sem Soares. E a propósito de Sócrates, só 16,8% das pessoas deste país acreditam que ele é inocente e dentro do partido socialista, 37,8% acredita na sua inocência e 37,9% na sua culpabilidade. A isto se chama rutura! Divisão ao meio!
A verdade, e a este propósito, é que Sócrates está em pânico. Os dois habeas corpus foram rejeitados e quanto a um possível recurso, diz ele que só será apresentado quando estiver pronto. Está a demorar! Mas o que é curioso é que ele nunca mencionou os amigos que lhe fazem companhia em todo este processo. Então o rico amigo ou amigo rico, Carlos Santos Silva que lhe empresta a casa de Paris e lhe concede a sua conta para depositar os milhões, segundo se diz, não merece uma palavra? Um amigo assim tão rico, não é para desprezar! E o seu motorista, aquele que foi apanhado com sacos de dinheiro em trânsito para França? O que dirão eles, perante esta situação? E se não estão culpados, o que dirão de ter um amigo assim? E se todos estiverem inocentes, como diabo reagirão depois de estarem em liberdade? Vão olhar-se nos olhos uns dos outros e acabarem a rir-se da trapalhada toda que lhes arranjaram ou desatar aos tiros uns aos outros para calar quem não devia ter falado? Amigos destes não se desejam nem ao nosso pior inimigo!
Seja como for, a Mário Soares o que é de Mário Soares e a José Sócrates o que é de José Sócrates. Não ficarão mal com toda a certeza, amigos … ou não! Ainda têm tempo de recomeçar. Pelo menos um deles!


Partilhar:

+ Crónicas

Indecisões

Sem tempo e sem palavras

Por trás da corrupção

Trapalhas em S. Bento

50 amos de memórias

E se acorda rebentar?

E agora?

Será que vale tudo?

O assassino da liberdade

Só promessas

O Mundo em Chamas

De lés a lés

A aliança do desespero