Luis Ferreira

Luis Ferreira

Avisos em saco roto

Quando as coisas não correm tão bem como se queria, o povo costuma dizer que não foi por falta de avisos. É verdade.

Os avisos e conselhos são grátis, porque se tivessem de ser pagos, ninguém ou muito poucos os aceitariam. Contudo, elevados na enorme sapiência que cada um de nós arvora, sempre vamos entregando conselhos a quem os quer ouvir. Não custam nada e se não os seguirem, nada se perde a não ser o facto de poderem a ser verdadeiros e o resultado ser desastroso.

Muito embora ninguém tenha a certeza sobre os avisos que dá ou os conselhos que, delicadamente despeja nos ouvidos dos mais incautos, o certo é que muitos deles em vez de caírem em saco roto, bem poderiam ser seguidos para evitar maiores constrangimentos.

Há algumas semanas que venho dizendo em jeito de aviso ou conselho, se quisermos, que o vírus que nos anda a alterar completamente a vida, não está a brincar com o tempo, mas sim com as pessoas e que estas deveriam ter mais responsabilidade no modo como tratam este assassina que mais parece o fantasma da ópera. Tão depressa aparece com um nome como depois reaparece travestido de nome diferente e ainda mais mortífero. Não se dá a conhecer e nem se mostra, talvez com receio que alguém o reconheça na face do parceiro que está em frente.

Não me faz mossa que as pessoas não tivessem seguido os meus conselhos sobre este assunto, mas a verdade é que quando referi que a época de praia e lazer poderia ser totalmente diferente se as pessoas não se acautelassem e procurassem evitar os aglomerados e as festas e festividades por que todos anseiam, estava com alguma certeza do que poderia acontecer. Agora está a acontecer. Não sei se será tarde demais, mas a continuar desta maneira, ninguém duvide que o país inteiro e não só Lisboa e vale do Tejo e Porto, vai ficar novamente confinado ou pelo menos em condições muito restritas, roubando-nos a pouca liberdade de que já estávamos a gozar.

Sabemos que a capital e arredores é uma área enorme e que depressa o vírus se propaga de um dia para o outro. Todos sabem disso. Então por que razão não param para pensar e se coíbem de fazer alarde dessa liberdade que pensam que têm, mas que depressa irão perder? A irresponsabilidade de uns é paga pelos que, com receio, vão andando pela rua bem resguardados e a uma distância recomendável e, que não têm culpa dos que se atravessam pela frente embrulhados em fatos de sapiência científica. É pena.

Apesar da vacinação estar ainda numa fase em que a faixa abaixo dos 35 anos não está vacinada, estes deveriam ter muito mais cuidado já que a realidade nos mostra que são eles, os mais jovens, que estão a ser atingidos pelo vírus e estão a entrar nos hospitais e a encher as enfermarias e as UCI’s. Pensavam os mais jovens que não seriam atingidos, talvez porque a DGS inicialmente afirmou que as camadas mais jovens estariam mais a salvo da ação do vírus. Puro engano, como se está a constatar. Agora todos correm à procura de centros de vacinação antes que seja tarde demais, mas as vacinas tardam em chegar e não são suficientes para tanta procura. O medo aperta.

Voltando ao que referi há tempos, parece-me efetivamente que as belas praias do Algarve e da costa alentejana ficarão mais vazias do que se pensava. Já não chegava a contingentação obrigatória em cada areal, medida com os ridículos semáforos, como se tratasse de uma autoestrada para o inferno, como agora o espalhar dos casos com vírus por esses areais que esperavam os portugueses dispostos passearem-se à beira mar. Portugueses sim, porque os ingleses parece que continuam proibidos de se pavonearem pelo sul do país e até de poisarem em solo luso. Coisas dos nossos aliados! Tontos ou eles ou nós!

Como se nada disto chegasse, a chanceler Merkel também veio dizer que tudo isto poderia ter sido evitado em Portugal. Grande descoberta! Eu disse isso primeiro e não sou chanceler de coisa nenhuma! Todos sabiam disso. O problema é que só nos lembramos de Santa Bárbara quando troveja. Só começamos a ter medo quando a casa do vizinho pega fogo. É pena.

Há semanas éramos os melhores da Europa e uma referência extraordinária e de repente, passámos para um dos piores. Porquê?

Ninguém quer ouvir os conselhos gratuitos nem seguir os avisos mais inocentes e depois pode ser tarde demais. Era bem melhor que os avisos não caíssem em saco roto!


Partilhar:

+ Crónicas

Trapalhas em S. Bento

50 amos de memórias

E se acorda rebentar?

E agora?

Será que vale tudo?

O assassino da liberdade

Só promessas

O Mundo em Chamas

De lés a lés

A aliança do desespero

O que nos querem vender?

Pantanal Político

Os interesses da guerra