Cronicas do autor

O regresso

Eles não chegaram a partir. Talvez tivessem gostado de o fazer, mas não lhes deixaram alternativa. N...

Um risco sem seguro

O Mundo está assolado por um vírus altamente letal e que está a transformar as pessoas, os países e...

O mundo jamais será o mesmo

A humanidade pensava, até há pouco tempo, que os males do planeta se iriam ultrapassar com simples c...

Metáforas sobre uma luta desigual

Sem armas, sem balas, sem bombas, sem exército, eis que os assassinos do século XXI não precisam de...

O vírus terrorista

Estamos a bombardeados com vírus quase de dois em dois anos. A continuar assim, não precisaremos de...

Ministros, butelos e cascas

É tempo de Carnaval, de caretos e mascarados. Eles andam por aí. Eventos em cada esquina, pois é pre...

Promessas e surpresas

Na política como em outras coisas, é habitual prometer seja o que for, ou por bom senso ou por simpa...

Do centro à direita ou vice-versa

Dizia-me um amigo que a política em Portugal nada mais é do que uma feira de vaidades. Dei-lhe razão...

Navalhas demasiado afiadas

Nunca fui muito adepto do uso de navalhas. Desde muito garoto, achava que quem usava uma navalha era...

As sombras que ficam

Está chegar ao fim mais uma década. A segunda do século XXI. Para a Europa, para Portugal e para o M...

As caras e os caretos

Após 40 anos de tentativas finalmente veio de Bogotá na Colômbia, o anúncio da atribuição aos Careto...

Só coisas más acontecem

Portugal precisa acordar. Parece que tudo está a dormir e as notícias remetem-nos somente para o que...

Promoção da ignorância

A questão bíblica sobejamente conhecida Quo Vadis Domine, Para onde vais Senhor, pode-se aplicar aqu...

Galinha gorda por … muito dinheiro

Conversávamos despretenciosamente um com o outro, ele dizendo que nem por isso e eu teimando que ser...

Rio sem margens

As margens condicionam os rios para que saibam por onde correr até se poderem espraiar no oceano ime...