Luis Ferreira

Luis Ferreira

Trapalhas em S. Bento

Não se deve louvar quem bem começa, mas sim quem bem acaba, diz o povo e parece que é uma verdade indesmentível. Após a vitória escassa nas últimas eleições legislativas, a AD lançava no ar uma esperança de mudança, como tinha apregoado e o afastamento de velhos papões que teimavam em assustar os mais desprevenidos.

Passado um mês de governo, o que temos assistido é a uma confusão e desnorte quer na manutenção de uma coerência que seria indispensável existir, quer no cumprimento de promessas atiradas ao vento durante a campanha e que agora parecem estar mais distantes. De quem é a culpa?

Ninguém quer assumir culpas e elas não serão exclusivamente do PS, que acabou de governar, nem do Chega, que teimou em ser parte da solução governativa. Efetivamente parece que há uma grande trapalhada para os lados de S. Bento. Uns dizem uma coisa e outros dizem outros. Ninguém fala a uma só voz, de tal forma que Montenegro quer que agora tudo o que se vai dizer passa pelo crivo do seu conhecimento. Até parece a velha censura a funcionar!

A verdade é que ou se põem todos de acordo ou estão no fim do túnel não tarda nada. A vontade de cumprir algumas promessas levou a um querer avançar demasiado depressa com determinados assuntos sem ter suficientemente preparados os dossiers. O tempo é pouco, já sabemos, mas isso não significa que se tenha de saltar de acordo em acordo sem chegar a conclusão alguma. É o que se tem verificado nas várias reuniões com os sindicatos da Polícia, da GNR, da Educação e outros sem que alguma proposta seja aprovada. As críticas que se têm feito às propostas do governo que são chamadas de atentados à dignidade dos profissionais, levam-nos a acreditar que tudo está bem mais difícil do que se imaginava. Contudo, os Ministros continuam a dizer que tudo vai no bom caminho. Como, se já vão na terceira reunião sem chegar a qualquer acordo?

Estou crente que haverá acordos, mas não se pode garantir que sejam os desejados nem por uns nem por outros. Trinta dias já passaram. Os sessenta que Montenegro adiantou como limite para algumas decisões importantes serem implementadas podem ser poucos para o cumprimento prometido.

A comprometer todo o trabalho governativo, surgem problemas graves como as substituições feitas um pouco à pressa com a aparência de serem saneamentos políticos, ou seja, a instalação de membros dos partidos antes que seja tarde. O caso da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa parece ser um exemplo, ainda que possa haver um buraco financeiro enorme. Uma vez mais, as culpas ninguém as quer assumir. Terá o governo razão?

Os cargos importantes, normalmente são ocupados por elementos indicados pelo governo. É uma forma de ter em lugares chave, pessoas da sua confiança. No entanto, essa confiança é algumas vezes, defraudada. O certo é que todos os partidos que chegam ao governo têm a mesma forma de proceder o que não significa ser com a pressa que este governo está a demonstrar. O que está a preocupar o governo?

Por outro lado, as desculpas de Montenegro sobre algumas tomadas de posição no Parlamento, tentando culpas aproximações do PS ao Chega, parecem-me injustificadas e surreais. Se a AD não consegue fazer impor as suas propostas e outras são aprovadas com votos de outros partidos, como o PS e o Chega, isso só significa que os dois comungam dos mesmos fins que a proposta propõe. Isto só acontece porque Montenegro e o PSD não gostam de negociar devidamente as propostas que têm. Não se podem queixar. Aliás, há demasiado silêncio por parte do governo, especialmente de Primeiro Ministro sobre determinados assuntos que se julgam importantes e que todos estamos à espera de saber algo de concreto. Talvez por isso mesmo, outros ministros digam o que não devem dizer e acabam todos por se contradizer. Uma trapalhada!

Para complicar tudo isto, Marcelo ajuda um pouco a toda esta trapalhada ao fazer afirmações indevidas e infelizes sobre alguns temas quentes como foi o da reparação devida às antigas colónias e ao chamar rural, indiretamente, a Montenegro e ao PSD. Não é que isto seja um insulto. Montenegro até é de Bragança e por isso, um rural no sentido lato e não um urbano, como muitos outros lisboetas. Enfim, tudo ajuda à trapalhada que se vive para os lados de S. Bento.

Resta saber, isso sim, se no final dos sessenta dias, o governo efetivou os temas a que se propôs para que nenhum dos partidos o continuem a acusar de trapalhão, de falso e mentiroso, além de incompetente, como fizeram com o Ministro das Finanças. Ninguém aguenta!

Este inicio parece deveras complicado para quem que dizia que ia mudar tudo e que era tempo de mudança. Na verdade, onde está a mudança? Ninguém a viu, mas a esperança ainda continua no coração dos portugueses, especialmente nos que acreditaram nela. Trapalhadas destas, já chegam!


Partilhar:

+ Crónicas

Por trás da corrupção

Trapalhas em S. Bento

50 amos de memórias

E se acorda rebentar?

E agora?

Será que vale tudo?

O assassino da liberdade

Só promessas

O Mundo em Chamas

De lés a lés

A aliança do desespero

O que nos querem vender?