Luis Ferreira

Luis Ferreira

Só promessas

Quando a luta se trava em terrenos pouco fiáveis ou mesmo em areias movediças, parece que todas as armas são adequadas ou válidas para poder ganhar. Mas não, não são.

O que não sabe nadar deita a mão até a uma folha que lhe permita manter-se à tona. A folha não é suficientemente forte e segura para o efeito. O mais pequeno ramo solto passa a ser a salvação, mas também não chega. A luta torna-se infernal e vale tudo para se ganhar terreno seguro. Invocam-se todo os deuses e promete-se-lhes tudo desde que a salvação seja atingida. E se não for?

Mas o caso pode ser diferente. Imaginemos um tonto na margem esquerda do rio com urgência para atravessar para a margem direita, mas não tem como. Olha à sua volta e não há nada a que possa deitar a mão e que lhe permita atravessar o rio. Procura e não acha nada. Vê um tronco enorme que certamente serviria os seus propósitos, mas não pode com ele. Precisa de ajuda. Na margem direita do rio vê outros tontos que se riem da sua incapacidade. Acena-lhes. Grita e pede ajuda. Não recebe resposta. Promete-lhes o tronco se o ajudarem. É a única coisa que tem. Mas para que serve o tronco, perguntam-se os outros. Eles não querem passar para a outra margem!

Bem, mas o tronco pode servir para fazer uma fogueira no inverno e aquecer a família, acabam por concluir os outros tontos. Mas há sempre um problema. Como passar para a margem esquerda? Se passarem para lá, também não precisam muito do tronco. Bem, mas pode servir para juntar a outros troncos e ficar com mais lenha para aquecer nas noites frias de inverno.

Na outra margem, o tonto continua a fazer sinais e a pedir ajuda. Volta a fazer promessas sobre o tronco. Mas o tronco não é dele. O tronco tem dono. Quando tudo estava mais ou menos arranjado e os dois tontos se preparavam para ajudar o que estava na margem esquerda do rio, eis que aparece o dono do tronco. As promessas acabam por cair por terra. Tudo fica sem efeito. O tonto fica na margem esquerda e não consegue passar para a margem direita e o que os da margem direita esperavam ganhar com o tronco, não ganham nada. E o rio continua a correr mansamente, impávido e sereno sem se preocupar com o que se passa nas margens.

Vamos descer à realidade. Sempre que alguém pretende tirar benefícios de um confronto qualquer, promete o que não tem ou que não pode cumprir para o conseguir. Em todo o lado encontramos exemplos destes. E se em alguns casos se consegue ter sucesso, as consequências podem ser desastrosas. E porquê? Porque as promessas não são cumpridas, porque não podem ser cumpridas.

É isto que se passa nas eleições que se avizinham a dez de março. A luta que já se iniciou entre os partidos e os seus líderes evidencia precisamente este panorama. Já quase todos disseram os seus programas e suas intenções e as promessas não faltaram. Promessas para quê?

Embora todos critiquem os que fazem promessas, o certo é que elas são a base do convencimento. Todos desconfiam, mas todos gostam de as ouvir. É necessário prometer alguma coisa, pois se o não se fizer, logo criticam dizendo que “não prometem nada é porque não têm intenções de fazer nada”. Em que ficamos?

A realidade é madrasta, pois castiga sempre os que prometem e não cumprem. Contudo, quando não se cumpre, remete-se para mais tarde o cumprimento alegando falta de tempo e oportunidade. Fácil desculpa. Mas há promessas irrisórias, especialmente quando para o seu cumprimento é necessário muito dinheiro e que o orçamento não comporta. Fica bem prometer, mas todos sabem que não vai ser cumprido. Ninguém acredita, mas todos vão votar nas falsas promessas, porque o povo tem esperança de que algumas sejam verdadeiras e além disso, confiam no seu partido, seja lá ele qual for. E quando isto não acontece, na dúvida, abstêm-se.

Nesta luta de galos, ouvimos críticas e promessas e críticas às promessas. E se algumas críticas são reais, outras são mera formalidade assentes no contrassenso de quem as profere. Mais valia que estivessem calados. Mas para convencer os eleitores é preciso prometer-lhes alguma coisa, mesmo que não passe de algumas promessas vãs. Alguns acreditam, outros nem por isso.

Depois de todos despejarem as suas intenções para um futuro governo, embrulhadas em papel vistoso, vêm as críticas dos líderes. Criticam-se uns aos outros a par dos programas de cada um e das promessas feitas. Baralham o povo, mas isso não interessa. O que interessa é ganhar. Depois o que se prometeu fica em segundo lugar. Não interessa muito. Sentados na cadeira do poder, é mais fácil gerir os interesses. No entanto, para isso é preciso ganhar solidamente e isso não é fácil para já. A luta vai continuar e será renhida. As promessas só valem antes das eleições. Se quem faz promessas fosse obrigado a cumpri-las, tudo seria diferente. Se houvesse sanções pesadas para quem faz promessas e não cumpre, tudo seria mais real e credível. Assim, são só promessas.



Partilhar:

+ Crónicas

E agora?

Será que vale tudo?

O assassino da liberdade

Só promessas

O Mundo em Chamas

De lés a lés

A aliança do desespero

O que nos querem vender?

Pantanal Político

Os interesses da guerra

Á beira do caos

As luzes de setembro