Luis Ferreira

Luis Ferreira

Será que vale tudo?

Muitos pensam que vale tudo para atingir os objetivos a que propõem, mas não. Não vale tudo. Penso mesmo que nunca valeu fazer de tudo para os atingir, ou pelo menos, não conseguiram atingir os objetivos quando tentaram fazer tudo e mais alguma coisa. E porquê? Pela simples razão de que o que está mal não se pode sobrepor ao bem. O que nasce torto, tarde ou nunca se endireita.

Os exemplos a que assistimos diariamente vindos das diferentes campanhas que percorrem as estradas na tentativa de convencer os indecisos, são muitos e alguns deles nada recomendáveis. Dizia-me uma amiga que já estava farta de assistir a tantas promessas e maldizeres que já não conseguia olhar muito tempo para a televisão e ver o que os líderes dos partidos diziam e prometiam. Tem razão. Já cansa ouvir sempre a mesma coisa e as mesmas promessas. Pior que isso é dizerem mal uns dos outros e criticarem sempre o que os outros fizeram ou deixaram de fazer. Quase todos têm telhados de vidro.

A verdade é que uma análise cuidada e um recordar do que ficou para trás na governação deste país, leva-nos a concluir isso mesmo. Todos fizeram promessas e todos nunca cumpriram o que prometeram. Ficou muito por fazer e muito foi feito erradamente.

No ano em que fazemos cinquenta anos de democracia e liberdade, é triste constatarmos que a democracia e a liberdade são conceitos que não são respeitados por todos, especialmente pelos que têm ambições governativas, sejam elas quais forem. De facto, a democracia não pode ser só uma palavra que atira pela boca foram quando dá jeito. E o mesmo se passa com a liberdade. Esta tem limites tal como a democracia na sua verdadeira acessão. Infelizmente, muitos esquecem-se disso.

Nestas horas de campanha acérrima não pode valer tudo. Que haja uma luta salutar pela conquista das ideias democráticas que cada partido possa apresentar, é de louvar, mas quando a luta passa para ofensas pessoais e até físicas, já é de condenar, e muito. Estou a lembrar-me, por exemplo, da lata de tinta que foi despejada em cima de Montenegro. É uma vergonha e um crime intolerável. Pessoas de bem não têm atitudes destas e se o assunto era pôr em causa a Natureza e a defesa dela, então não é assim que se defende a causa, mas discutindo e chegando a conclusões. A violência nunca levou nada a bom termo. A agressão pura e simples, não é digna de quem quer resolver problemas. As soluções não nascem da violência, ela só cria mais problemas.

As críticas verbais a que também assistimos nas várias campanhas, são igualmente deselegantes, na sua maior parte. Embora tentando ser minimamente educados, os líderes dos vários partidos, em alguns momentos, conseguem perder um pouco a sua postura e deixar vir ao de cima o seu nervosismo e até radicalismo. Os partidos mais nacionalistas, como o PS, o BE, o PCP e o Chega, especialmente, mostram bem em algumas afirmações este tom mais agressivo no discurso. Mas não vale tudo. Há modos de dizer as coisas e também de fazer promessas e até de criticar o que os outros disseram ou fizeram.

A este respeito lembramo-nos bem o que aconteceu em Portugal quando o PS chamou a Troica para endireitar as contas e a dívida nacional. Estávamos falidos e na Bancarrota. Perderam as eleições e foi o governo que se seguiu que teve de pegar o touro pelos cornos e levar o barco por diante. Não foi fácil e muitas coisas foram feitas que não agradaram nada aos portugueses. Nem podiam agradar. Mas de quem foi a culpa? E já não é preciso recuar ao tempo de Mário Soares em que Portugal entrou igualmente em Bancarrota. Culpa de quem? Agora o PS não quer falar desse tempo e remete as culpas do tempo da troica para o governo de Passos Coelho. Um erro em que só eles acreditam e querem fazer crer. Mas há memória. Este arremessar de farpas sujas, não mancha ninguém a não ser quem as arremessa. Será que isto é democrático? Não, não é. É jogar sujo.

Pois seria muito mais democrático que todos jogassem limpo, sem mentiras, sem agressões e em liberdade. Claro, sem colidir com a liberdade de cada um. Não sabemos quem vai ganhar, mas isso agora não interessa. O que deveras interessa é que ganhe quem ganhar, será sempre uma escolha dos portugueses e como tal, quem governar deve governar para bem dos portugueses e cumprir as promessas que fizeram para não descredibilizarem a democracia e os partidos. Se não pensam cumprir e é só falácias, que não prometam. Sejam íntegros.

Sabemos que a luta é essencialmente entre o PS e a AD e também sabemos já que dificilmente haverá maioria absoluta para nenhum deles. Contudo, o que ganhar que não se arme em gabarolas e em querer ser o melhor de todos, porque o povo está cá para julgar. E como o CHEGA está à espreita e espera apanhar uma fatia do bolo, será melhor que não se engasgue se o comer. É que não vale mesmo tudo. Há limites.



Partilhar:

+ Crónicas

Trapalhas em S. Bento

50 amos de memórias

E se acorda rebentar?

E agora?

Será que vale tudo?

O assassino da liberdade

Só promessas

O Mundo em Chamas

De lés a lés

A aliança do desespero

O que nos querem vender?

Pantanal Político

Os interesses da guerra