Luis Ferreira

Luis Ferreira

Os milagres que Maio trouxe

O mês de maio é rico todos os anos em acontecimentos, uns com data marcada, outros que acontecem ao sabor do vento. Este ano não foi muito diferente.

Com data marcada está, agora e sempre, o dia 13, comemorado todos os anos com a dignidade que o dia e o acontecimento merecem. Fátima, bafejada pela graça divina, elevou-se há 100 anos ao mais alto pódio da religião cristã e se desde então tem sido palco onde se encontram os crentes e até alguns não crentes, este ano o dia mereceu a comemoração do centenário das aparições da Virgem. Também este ano e para realçar o centenário das aparições, juntaram-se mais dois eventos de relevo: a presença do Papa Francisco e a canonização dos pastorinhos. Portugal ganhou mais dois santos.

À volta da presença do Papa em Portugal, geraram-se vários comentários, que alguns acharam ter alguma relação com o facto e tudo passou a ser justificado como se de mais um milagre se tratasse. Se para uns isso foi motivo de sorrisos, para outros foram piadas de muito mau gosto. A verdade é que temos de ter mais postura e responsabilidade no que afirmamos especialmente se isso pode colidir com sentimentos e modos de estar de outros que pensam de modo diverso.

Na verdade, o facto de o Benfica ganhar o tetra pela primeira vez, não terá muito a ver com a vinda do Papa a Portugal já que o Benfica estava à frente da classificação do campeonato há já algum tempo e não se esperava grande alteração a esse respeito. Mas outros vieram dizer o contrário e até puxaram a brasa à sua sardinha ao dizer que o Porto não ganhou precisamente devido a forças externas ao mundo do futebol. Nós sabemos que em Portugal sempre se celebraram os três Fs: Fátima, Fado e Futebol, mas francamente, isto é abuso.

Outro facto que mereceu e bem, a atenção do país inteiro, foi termos ganho o Festival da Eurovisão pela primeira vez. Salvador Sobral foi, com toda a prioridade, o Salvador da Nação. Há muitos anos que perseguíamos esta vitória e chegámos mesmo a ficar em sexto lugar, mas o salto para o primeiro não estava nos melhores prognósticos nos tempos que antecederam o festival. Salvador “amou pelos dois” e Portugal agradeceu e até o ”condecorou” de certa forma ao homenageá-lo na Assembleia da República com aclamação unânime dos deputados. Também a este respeito, muitos correram a afirmar que foi mais um milagre que o Papa Francisco fez ao vir a Portugal, juntando assim uma mão cheia de “milagres” que fizessem esquecer alguns momentos menos bons que o país pudesse estar a atravessar. Enfim! Coitado do Papa Francisco! Se mais nada tivesse que fazer, isto bastava-lhe para se promover a ser o próximo santo em nome de Portugal. Pois, mas ainda há mais.

A verdade é que Costa ao anunciar a melhoria da situação económica de Portugal, a redução do défice, a redução da taxa de desemprego e mais umas descidas quase inesperadas, logo apareceu quem dissesse que se devia a mais um milagre do Papa Francisco. Pois claro! Eu, pessoalmente, não imaginava que o Papa pudesse ter tanto poder! Será que alguém imaginava? Francamente, ponho-me a pensar no que dirão os que não tiveram a sorte de serem bafejados por toda esta panóplia de favores celestiais.

Não sei se Trump é fervoroso de Nossa Senhora de Fátima ou até do Papa Francisco, mas o que lhe está a acontecer este mês de maio não lhe é muito favorável. Não sei se pelo facto de ele não ser suficientemente inteligente para não dizer certas coisas, ou se pelo facto de mesmo falta de sorte! Pode ser que esta visita ao Médio Oriente e ir até ao Muro das Lamentações, o alivie do peso que traz às costas!

Já cá dentro de portas, finalmente Passos Coelho admitiu que a economia melhorou um pouco, mas sempre foi dizendo que era preciso ter cuidado pois não vá ela voltar a piorar. É que ele baixou de 11% para 3% o défice que agora até está em 2,8%. Será que também aqui o Papa teve alguma influência? Não me parece que seja milagre, mas que este mês foi bem recheado de coisas boas, lá isso foi. Venham mais maios!


Partilhar:

+ Crónicas

Derrapagens

Céus turbulentos

Não podemos esquecer

Há muros e muros

A força do acossado

A farsa e o farsante

O cansaço que nos abala

O terceiro lado

O desafio

Azáfama política

Sem fim à vista

Carne pra canhão